A Mão Que Assalta o Berço.

 

1ª Parte.

 

1º 4 da madruga, ouvi: bem acorda, a bolsa estourou, tem contrações, tá na hora.

2º Sem previsão do 192 pra uma ambulância, vamos pro hospital percorrendo a pé à distância.

3º O lixo reciclado não deu verba pro táxi, e nem fodendo imploro pro COPON solidariedade.

4º Vencemos a via-crúcis até a recepção, correram pra sala de parto, dez de dilatação.  

5º Como não tive um centavo pra ultrassonografia, nem sei o sexo bebe ou se tem anomalia.

6º Nasceu, sou apresentado pelo vidro do berçário, ao menino desnutrido visivelmente mais magro.

7º Só alegria até assistente social falar comigo, não senhora eu cato papelão não sou mendigo.

8º Só entendi os dois PMs preparados na porta, quando ouvi, o Estado vai ficar com a guarda provisória.

9º Enquanto o spray de pimenta me contém, sarcasticamente a puta diz que é melhor pro neném.  

10º O obstetra já devia ta alerta, pra dar um salve com o surgimento da criança certa.

11º Alô juiz apareceu outro filho de esfomeado, da canetada e trafica pro cliente no aguardo.

12º Não tem mais canção de ninar, primeiro passo e beijo, a mão suja do playboy assaltou meu berço.

 

 

2ª Parte.

 

 

1º O dia da alta não é festivo é depressivo, o crime premeditado me faz pensar em suicídio.

2º É foda ver registrado no nome de um bacana, quem teve no ventre da minha mulher por 40 semanas.

3º Na vara da infância a preocupação não é segurança familiar, é atender a burguesa que não pode engravidar.

4º Não é preciso de inseminação artificial, é só esperar a fecundação de um mandado judicial.

5º A mesma mão que através da caneta me assalta, aceita a Kwashiorkor na favela nível Bengala.

6º As crianças em severa situação de risco, tão em Ipanema, Leblon, Asa Norte, Paraíso.

7º A intensa corrupção de menor nesses antros, converte os herdeiros em carniceiros desumanos.

8º Meses se vão eu me sinto o escravo leiloado, que o feitor mor arrancava o filho do seu lado.

9º Sem nenhum tipo de assistência jurídica, parei de sonhar com reinserção gradativa.

10º O tribunal prefere abastecer o comércio de gente, do que dar tutela pra pai biológico indigente.

11º Devia ter ouvido um mano da antiga, é só olhar o cativeiro, repor a água e dar comida.

12º Se tivesse tentado as Ducati com um lança morteiro, talvez a mão do rico não tinha assaltado meu berço.

 

 

3ª Parte.

 

1º Não posso permitir que meu filho acabe, com a língua cortada por um alicate.

2º Comendo fezes, ouvindo palavras racistas, como a menina na mão da procuradora de justiça.

3º Só por milagre não vai ser jogado pela janela, num plágio dos Nardoni no caso Isabella.

4º Mesmo iletrado e sem influência política, vou mostrar quem é o carroceiro que o motorista xinga.

5º Fiz meu drama comover uma tia do Conselho Tutelar, me deixou ver a babá saindo pra passear.

6º No dia fingi que eu tava satisfeito, mais gravei o trajeto, o horário e o endereço.

7º 24 horas depois uma faca no pescoço, é meu filho nesse carrinho não grita socorro.

8º Fugi mais fui filmado por vários circuitos internos, que ironia agora sou procurado por sequestro.

9º Hoje é o décimo dia da minha fuga, foto no jornal, fui reconhecido por um filho da puta.

10º Que achou estranho um homem com um bebê, entrando ás pressas em um dos dutos do rio Tietê.

11º Percebo passos vindo na direção do esconderijo, lanterna na cara, gritos, armas é o DAS invadindo.

12º Enquanto a mão do boy assalta meu berço de novo, calculo minha pena no artigo 148.

 

 

Refrão:

     Dorme nenê, que a justiça vem pegar, papai não tem dinheiro, então proíbem de te criar.

     A mão do rico assalta o berço, pra depois traficar, criança pra gringo e boy, escravizar, estuprar e matar.